Palestra no Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS)

No dia 13 de junho de 2015, Jônatas Marques Caratti, juntamente com o professor Jovani de Souza Scherer, palestraram para um grupo de cerca de 25 professores sobre as prática da alforria no século XIX. A fala foi feita no contexto do Curso de Formação de Professores “Educação patrimonial e cidadania: história da escravidão e da liberdade no Rio Grande do Sul“. O APERS tem realizado parcerias com diversas instituições como a UFRGS e a …

Continue lendo…

Palestra no Programa de Pós-Graduação em História da UNISINOS

Recebi o convite dos professores Paulo Staudt Moreira e Cláudio Elmir para relatar minha experiência de pesquisa e escrita da dissertação que defendi na UNISINOS em 2010. A ideia era compartilhar experiências, sofrimentos e angústias para uma turma que está em processo de elaboração de dissertações e teses. Os professores Paulo Moreira e Cláudio Elmir estão oferecendo neste semestre (2015/1) disciplinas que abordam trajetórias e biografias como metodologias de pesquisa. Minha fala versou sobre o …

Continue lendo…

A EDUCAÇÃO É POLÍTICA

O projeto de lei 867/2015 do deputado Izalci Ferreira tem dado o que falar. Seu projeto pretende incluir à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional o “Programa Escola Sem Partido”. O objetivo é proibir a doutrinação ideológica nas salas de aula. De forma mais incisiva um grupo auto-intitulado “Dogma” tem defendido abertamente a volta do ensino tradicional às escolas. Isso é preocupante. Principalmente, porque vai contra todo um esforço realizado nas últimas décadas …

Continue lendo…

A EDUCAÇÃO TAMBÉM IRÁ RETROCEDER?

Vivemos tempos difíceis. Tempos de manifestações contundentes, porém vazias de propostas, escondidas atrás de bandeiras e camisetas verde-amarelas. Vivemos tempos de retrocesso: trabalhadores perdem seus direitos e adolescentes são encarcerados ao invés de irem às escolas. Em particular, me assustou um movimento chamado “Dogma” que pede o retorno da educação tradicional às escolas. Sua principal crítica é a ideologização dos escritos de Paulo Freire na educação. A educação tradicional, criticada por Paulo Freire em sua …

Continue lendo…

PEQUENAS COISAS

Escrevo este texto diante de uma janela aberta. Observo um monte de folhas secas acumuladas pelo tempo. Nela, os sabiás laranjeiras pinçam sua refeição, minhocas grandes e suculentas. Neste terreno onde escrevo estas palavras, minha mãe brincou quando criança. Fugia e subia nas árvores quando armava alguma travessura. Neste mesmo lugar, há muito tempo, meus avós cresceram. Plantavam milho, criavam galinhas, tinham aulas em casa. Este terreno onde resido, no bairro Rio Branco, em Porto …

Continue lendo…

A DANÇA DAS PALAVRAS

Estou terminando de ler o clássico de Gabriel Garcia Marquez, “Cem anos de solidão”. Gabo, como era apelidado, faleceu este ano e deixou uma literatura vasta e internacionalmente reconhecida. A gente nunca consegue ler todos os livros que gostaria. Como historiador, digo que sou vítima de meu próprio objeto de pesquisa: o tempo – ou a falta dele. Meu contato com Gabriel Garcia Marquez foi recente. Algo parecido ocorreu com minha primeira experiência com Jorge …

Continue lendo…

PALESTRA NA FEEVALE NO DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

No dia 20 de novembro, dia da consciência negra, o professor Jônatas Marques Caratti esteve presente na Universidade Feevale, em Novo Hamburgo/RS, para ministrar palestra sobre “O Solo da Liberdade”, fruto de sua pesquisa de mestrado que virou livro. Porém, como o dia era um tanto especial, Jônatas direcionou também para outros temas concernentes a população negra: recitou poemas de Oliveira Silveira, mostrou a importância do brasileiro sentir e buscar suas africanidades, além da importância …

Continue lendo…

PARA QUE SERVEM AS DATAS?

Um historiador não sabe todas as datas da história. Parece incoerência, mas alguém sábio já disse que o historiador não é um calendário. Um bom historiador, sim, precisa ter uma boa e ampla visão cronológica, mas seu trabalho não para por aí. Sua função social é “fazer pensar”, é tentar entender porque alguns fatos tornaram-se História e outros não. Porque alguns personagens entram na História e outros não. Por exemplo, você já reparou como há …

Continue lendo…

PALESTRA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

Na última quinta-feira, o professor Jônatas Marques Caratti ministrou uma palestra para os alunos do curso de Geografia da Universidade Federal de Pelotas. Além da divulgação do livro “O Solo da Liberdade“, outros assuntos foram tratados: discussão conceitual sobre a fronteira, igualdade racial na escola e um panorama historiográfico sobre a disciplina História. A próxima palestra ocorrerá dia 20 de novembro, às 20hs, na FEEVALE, em Novo Hamburgo – RS.

Continue lendo…

CRÍTICO DE CINEMA ESCREVE TEXTO SOBRE “O SOLO DA LIBERDADE”

Instituto da Escravidão entre Fronteiras. Lá pelas tantas da introdução de seu livro O solo da liberdade (2013), o historiador brasileiro (sulista) Jônatas Marques Caratti anota: “Meu pai, Jorge Gonçalves Caratti, é natural de Dom Pedrito, mas viveu sua infância, adolescência e parte da juventude em Santana do Livramento. Desde pequeno, me acostumei a ouvir suas histórias sobre a fronteira.” Jônatas nasceu em Porto Alegre, aonde seu pai veio parar no início dos anos 70 …

Continue lendo…